O termo “escravo” é frequentemente usado para indicar um estatuto fortemente assimétrico dentro de relações BDSM.

GÊNERO DE ESCRAVO SEXUAL

A palavra “escravo sexual” é independente de gênero: escravos podem ser masculinos ou femininos e de qualquer orientação sexual. Alguns escravos masculinos preferem ser tratados de uma forma tradicionalmente feminina.

SER PROPRIEDADE/SER UM ESCRAVO SEXUAL

“Escravo Sexual” é um termo frequentemente usado para conotar um parceiro submisso ou servil numa relação Mestre-escravo. Tal indivíduo pode também ser masoquista ou bottom, mas nem sempre é o caso.

Normalmente, o escravo dá o direito ao seu proprietário de exercer autoridade sobre ele de uma forma ou de outra, dentro de uma relação que se pode estender a tempo inteiro, 24 horas por dia, 7 dias por semana. De forma conotativa, refere-se a um indivíduo que rende a sua propriedade e liberdade pessoal e torna-se em si, propriedade do seu proprietário ou Mestre. Precisamente, para se ser escravo, é preciso ter um proprietário, mas os indivíduos poderão chamar-se “escravos” como indicação da posição que esperam eventualmente ocupar.

Deve notar-se que a relação é estritamente consensual, e seja puramente simbólica ou devido a um estado psicológico de escravatura, não existe nenhum tipo de apropriação legal.

USO ESPORÁDICO E VARIAÇÕES

Algumas pessoas que estão envolvidas numa relação gostam do impacto psicológico de chamar “escravo” aos seus parceiros, ou que os seus parceiros lhes chamem “escravos”. A utilização do termo por si só não é indicação de que sejam “escravos”, da mesma forma que a utilização da palavra “puta” signifique que a pessoa seja de fato prostituta.

Muitos sites de encontros encorajam a utilização do termo “escravo” para alguém que seja solteiro e que procura um parceiro. Mais precisamente, é uma indicação de que a pessoa em questão tem a orientação de escravo e está interessada em ser escravizado, ou em desempenhar o papel de escravo, não implicando que sejam propriedade de alguém.

O termo “escravo” é muito utilizado, pois tem um certo peso auto afirmativo. A diferença entre um submisso e um escravo é o grau de submissão. Existe um debate considerável quanto à definição exata de “escravo”.

Tipos de escravo sexual

Tipicamente, existem quatros tipos de escravos. Eles são financeiros, de dor, sexuais, e de serviço. Muitos escravos são uma mistura dos quatros tipos. Existem muito poucos “escravos puros”.

  • Escravos financeiros
    A maior parte dos escravos financeiros existem para ganhar, ou oferecer, dinheiro aos seus proprietários. De alguma forma, este tipo é mais puramente um escravo porque perdem a habilidade de serem autossuficientes.
  • Escravos de dor
    Este tipo de escravo existe para o seu proprietário testar a dor, humilhação e mais o quer que seja que o este consegue aguentar. Este tipo é tipicamente um submisso ou masoquista com um título.
  • Escravos sexuais
    Este tipo de escravatura dá maior ênfase ao sexo e a sensualidade. Podem não fazer muito mais do que sexo no que toca a sua escravidão.
  • Escravos de serviço
    Este tipo de escravo realiza tarefas para o seu proprietário. Toma os objetivos e desejos dos seus proprietários e torna-os realidade da melhor forma que pode. Um escravo de serviço realiza diversas atividades e, como parte do serviço, pode assumir as responsabilidades dos outros tipos de escravos.


C e n t r a l · Boys | SP

boyscentral@gmail.com

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

16 + 7 =