O que vou relatar aqui aconteceu comigo há tempos atrás. Meu nome é Juan, tenho 24 anos, sou bi, mas a minha primeira aventura que na adolescência não me sai da cabeça.
Fui criado em casa e tive muitos amigos, nossas férias eram ótimas brincávamos na rua o dia inteiro e a que mais gostava era de pique-esconde. Nós geralmente brincávamos a noite, pois tinha umas três casas em obra na redondeza e era nelas que costumávamos nos esconder. E tinha um amigo em especial o Rogério (vamos chama-lo assim) que sempre ia aonde eu fosse. Ele tinha 2 anos a mais do que eu e era o maior de nossa turma. Eu era um garoto normal de corpo, mas o que, mas chamava a atenção era minha bunda que era muito grande, destoava de meu corpo. E toda vez que estávamos juntos ele sempre dava um jeito de passar a mão em mim ou encostar seu pau por trás em minha bunda, fingindo que iria olhar pra ver se tinha alguém vindo nos procurar. Eu fingia que não estava acontecendo nada, mas adorava sentir seu pau encostar em minha bunda além de suas passadas de mão. Mas ficávamos só nisso. Eu fingindo e ele sem coragem de entrar de sola. Eu era totalmente inexperiente em relação ao sexo, nunca havia feito e só havia me masturbado a pouco vendo uma revista de sexo que tinha encontrado sem querer no porão de minha casa e nela apareciam dois homens e uma mulher, eles trepavam de todo o jeito inclusive um dos caras chupava o pau do outro. Aquilo me deixou maluco, meu pausinho ficou duro na hora e comecei a me bulinar até ter um gozo delicioso que jamais esqueci.
Mas o que eu mais queria há um tempo era ter sexo de verdade e a oportunidade veio com o Rogério que há tempos mexia com a minha imaginação e vontade de fazer sexo.
E foi num dia de chuva e em uma casa em construção que me realizei pela primeira vez com meu amiguinho. Era uma sexta à noite e brincávamos na rua de pique se esconde quando caiu um temporal. Nós estávamos escondidos na terceira casa e vimos quando todos os amigos saíram correndo para as suas casas por causa da chuva e quando também ia Rogério me pegou pelo braço e me puxou dizendo que eu ficasse até que a chuva parasse um pouco. Ficamos ali no escuro e de vez enquando Rogério dizia que iria olhar pra ver se já dava para irmos e vinha por trás de mim perto da janela e esfregava seu pau na minha bunda. Eu agia naturalmente como se nada estivesse acontecendo, mas logo que senti o pau duro de Rogério em minha bunda eu comecei a sentir um calor em minha barriga e meu pau começou a crescer também. Aquilo foi me deixando louco, minhas pernas começavam a bambear toda vez que ele encostava em mim. Eu ainda fiz um pouco de jogo com ele e saia de sua frente às vezes, mas ele insistia e começava além de encostar empurrar seu pau na minha bunda. Numa dessas eu não aguentei e dei uma suspirada, o que foi notado logo por ele. Seu pau estava tão duro quanto o meu, mas a minha vontade era de ser comido de ver aquele pau que deveria ser maior do que o meu, tê-lo em minhas mãos, boca e finalmente na minha bundinha. Ele saiu subitamente me dando um susto, eu pensei que ele tinha se arrependido ou que alguém pudesse estar chegando, mas nada, ele olha pra mim e diz que esta com muita vontade de mijar. Eu o olho e digo faz aqui mesmo. Ele sentiu logo o teor de minhas palavras e colocou seu pau pra fora e virando pro lado começou a mijar. Mesmo na penumbra eu não tirava os olhos de seu pau que já estava duro e era realmente grande e grosso totalmente oposto do meu que era bem menor e muito mais fino. Ele me olha e diz se quero segurar. Eu já embriagado de vontade digo que sim, mas falo que ele tem que me prometer que ficará só entre nós dois. Ele concorda e diz que há muito estava querendo fazer uma sacanagem comigo, mas que além de não ter certeza se eu toparia também não tinha tido uma oportunidade como aquela. Ele acaba de mijar e vira-se pra mim e manda eu segurar. Nossa! Que pau grande pensei, e agora o que fazer. Ele vendo que eu não fazia nada me manda apertar e começar a punheta-lo. Fico ao seu lado e começo a tocar uma punheta em seu pau que esta cada vez mais duro e ele me pergunta se eu quero mais alguma coisa e eu digo que sim. Pergunto se posso chupa-lo. Ele dá um sorrisinho e me pega pela mão e me leva pra outro cômodo da obra onde há uma bancada. Lá ele me pede pra esperar que irá ver se tem alguém por perto pra nós ficarmos mais a vontade. Eu estava com um pouco de medo, mas a vontade de ter aquele pau pra mim era maior e só pedi que ele viesse logo. Quando ele volta já esta nu da cintura pra baixo e vindo em minha direção me abraça pegando em meu queixo e me dá um beijo. Eu nunca havia beijado daquele jeito, sua língua procurava a minha, que delícia, sentia seu pau em mim e o meu tocava nele. Ele então para e diz que quer me ver nu, totalmente sem roupa. Eu obedeço e vou tirando camisa, short e finalmente minha cueca. Ele me pergunta se quero ser sua mulhersinha e eu digo que sim, e que faria o que ele me mandasse. Ele então me pede pra dar uma volta nu pelo cômodo e eu faço. Ele diz que sou muito gostosinho e que minha bundinha deveria ser deliciosa. Eu ainda com um pouco de medo pergunto a ele se realmente não tem ninguém por perto. Ele diz que não que enquanto estivesse chovendo não haveria risco de alguém nos ver e vem em minha direção me fazendo abaixar perto de seu pau. Eu sabia o que ele queria. Me abaixo e segurando com minha mão aproximo minha boca de seu pau. Havia naquele local um cheiro de urina muito forte, não sei explicar, mas aquilo me dava muito tesão. Fechei os olhos e abocanhei seu pau que também tinha um pouco de odor de urina. Meu deus que delicia, comecei timidamente, mas aos poucos fui engolindo mais e mais seu pau. Minha língua percorria todo seu cacete fazendo-o gemer e pedir mais. Eu delirava, ele me chamava de mulhersinha, safadinha, que eu seria dele pra sempre. Eu me soltando cada vez mais comecei a dizer que seria dele sempre e que aquele pau só seria meu. Eu me surpreendi comigo mesmo ao falar aquelas besteiras, não sabia que conseguiria dizer aquilo. Ele mando que segurasse com minhas mãos a sua bunda, mas continuasse com o pau na minha boca, dizendo que queria fuder minha boca. E foi o que fez, começava a enfiar e tirar seu pau de minha boca. Eu estava sendo fudido na boca. Ele fazia isso e me perguntava se ele poderia tentar comer minha bundinha. Eu sem tirar o seu pau da boca concordava com a cabeça. Isso foi fazendo com que ele acelerasse mais ainda seus movimentos. Eu apertava sua bunda e ele socava mais e mais rápido até que falou que iria gozar e tão rápido pediu se queria sentir seu leitinho em minha boca. Tirei um e disse que tinha nojo disso, mas ele não deu tempo segurou em minha cabeça e colocando seu pau em minha boca gozou muito forte. Tentei sair, mas não deu. Suas mãos seguravam minha cabeça com força. Tentei não engolir, mas era tanta porra que minha boca foi enchendo e tive que engolir um pouco. Acabei gostando e assim que ele me soltou eu virei um pouco pro lado e cuspi ainda o que restou. Ele tremia as suas pernas e eu levantei e comecei a limpar os cantos de minha boca, pois ainda escorria um pouco de leite.
Fiquei um pouco frustrado, pois achava que ele me comeria, eu ainda não havia gozado e meu tesão ainda era muito forte.
Ele me pede desculpas, pois na hora o que ele queria e muito era gozar em minha boca. Eu digo que não fazia mal, pois acabei gostando. Ele vem em minha direção e pede se gostou então chupa mais e deixa ele limpinho. Seu pau estava meio amolecido e ainda tinha um pouco de porra na ponta e no lado. Nem pensei me abaixei de novo e abocanhei. Eu chupava e me punhetava, mas seu pau começou a crescer novamente em minha boca e nessa hora eu olhei pra ele que sentindo o que eu queria me olha e diz: Você quer ele na sua bundinha não é? Eu digo que sim ele manda que eu continue a chupa-lo e faço até seu pau estar bem duro novamente. Ele me fez levantar e me beijou novamente, dessa vez apertando minha bunda e falando em meu ouvido que quer muito comer meu rabinho. Então come esta esperando o que? Ele me vira e me debruça na bancada e me faz abrir minha bunda com as duas mãos. Fico assim a sua mercê, ele começa a pincelar seu pau no meu cu que pisca só de sentir ele na portinha, olho pra trás e peço que ele não me machuque. Ele diz que vai ser bem devagarinho. Vejo ele se abaixar atrás de mim com a minha bunda toda arreganhada. Ele cospe no meu cuzinho umas três vezes e começa a meter um dedinho. Eu não aguento e rebolo devagar. Sinto minha bunda melada com sua saliva. Ele se levanta e me faz virar pra ele sem tirar as mãos da bunda e coloca seu pau na minha boca novamente e me pede que eu chupe seu pau, mas deixe muita saliva. Eu faço isso com maior prazer e pouco depois ele sai e vem por trás e encosta a cabeça de seu pau na minha bunda e pincela novamente. Sinto meu cuzinho todo melado. Rogério começa a forçar seu pau no meu cuzinho. Assim que começa a entrar sinto uma dor horrível e ainda tento dar uma escapada, mas ele me segura e me pede pra aguentar, mas um pouco que logo iria passar. Ele para por um tempo de forçar seu pau e eu dou uma relaxada. A dor passa e eu começo a aproveitar seu pau. Ele sentindo que eu estava gostando deu mais uma forçada. Dessa vez senti a cabeça de seu pau entrar. Parecia que estava colocando um ferro em brasa na minha bunda, mas sem dar tempo de reclamar ou tentar sair ele foi enterrando seu pau na minha bunda. Apertei minha bunda com tanta força que ficou marcado por uns 3 dias. Ele parou novamente, mas dessa vez seu pau já passava da metade. Não acreditei ao sentir com uma de minhas mãos o que já havia entrado. Me senti um viadinho mesmo. Ficamos parados ali sem nos mexermos por um tempinho, mas logo a dor passou e fui soltando minhas mãos da bunda. Rogério sentindo que não havia mais dor começou um vai e vem delicioso. Como é bom sentir aquele pau entrar e sair de minha bunda. Ele me comia e falava que eu tinha uma bunda linda e deliciosa, que, mas parecia se uma bunda de mulher e que me comeria sempre e segundo em minha cintura me puxava pra dentro de seu pau, eu rebolava sem parar. Comecei a me masturbar com o pau de Rogério dentro de mim. Seu pau escorregava com facilidade e eu mal podia acreditar que minha bunda já o tinha todo dentro dela. Ele começou a falar que eu era viadnho, safado e putinha dele. Isso foi me deixando louco, fazendo com que eu rebolasse e pedisse que ele me arrombasse todo. O cara pirou e começou a bombar com tanta força que comecei a sentir seu saco tocar o meu. Eu acelerava mais minha punheta, temia que ele gozasse novamente e eu não. Foi aí que já quase gozando falei pra ele que iria gozar, ele sem parar fala. Goza meu viadinho, põe seu leitinho pra fora que eu vou por meu leitinho pra dentro de sua bundinha deliciosa. Ao ouvir isso saiu um jato muito forte de meu pau, eu nunca havia gozado tanto e de forma tão intensa. E quase ao mesmo tempo senti a porra de Rogério inundar meu cuzinho. Era uma sensação única. Seu leite quente invadia minha bunda.
Ficamos ali, eu debruçado na bancada com Rogério ainda com seu pau dentro de mim amolecendo aos poucos. Estávamos exaustos, assim que ele saiu me pediu que me agachasse e abrisse bem a bunda e forçasse. El queria ver sua porra sair toda de meu cu. Fiquei agachado de costas pra ele abrindo minha bunda ao máximo e assim que forcei um pouco senti sua porra sair de minha bunda. Surpreendi-me com a quantidade, pois ele já havia gozado antes.
Já estávamos ali quase 1 hora e a chuva ainda caia, mas bem menos do que antes. Arrumamos-nos e prometemos um ao outro a não contar aquilo a ninguém. E também que assim que tivéssemos outra oportunidade faríamos tudo de novo. Só não esperava que fosse tão rápido e que teria uma surpresa que me deu muito medo.
Abraços.

A MINHA PRIMEIRA VEZ COM UM AMIGO 1


C e n t r a l · Boys | SP

boyscentral@gmail.com

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

dez − nove =